11/06/2006   Hospital do Câncer de Pernambuco
Falta de higiene: principal causa do câncer de pênis

O câncer é uma doença que assusta porque age silenciosamente no organismo e, em muitos casos, acaba matando o doente sem que ele descubra o que lhe acometeu a tempo de se salvar. Os exames preventivos, por mais que ocorram no início da enfermidade, são capazes de detectá-lo, mas não de impedir o seu surgimento. No homem, o câncer de pênis é uma exceção a esta regra. Especialistas atestam que o tipo pode ser evitado, caso os que possuem predisposição a tê-lo sigam orientações simples sobre como fazer a limpeza correta do órgão sexual. Essa vantagem, no entanto, não tem sido bem aproveitada. E a realidade se encarrega de mostrar que o câncer peniano continua a existir, fazendo vítimas, principalmente, nas regiões mais pobres, onde a desinformação se torna o principal obstáculo no momento de combatê-lo.

Não existem dados precisos correspondentes à incidência do câncer nos homens do País. Mas um estudo experimental feito por médicos maranhenses dá uma dimensão do problema. Com base em informações repassadas por hospitais, eles constataram que surge um caso da doença a cada 14 dias. No Maranhão, na década de 1990, estima-se que apareceram 266 pessoas portadoras do câncer. Levantamento do Ministério da Saúde, contestado por médicos, mostra que 91 pessoas morreram em Pernambuco, entre os anos de 1996 e 2002. Somente no Hospital do Câncer, entretanto, a Urologia contabiliza, em média, duas cirurgias referente a câncer de pênis por semana. A região Norte-Nordeste é uma das áreas mais afetadas do Brasil, garantem os especialistas, por causa da dificuldade da população no acesso às orientações preventivas.

"É um câncer de pobre", diz o médico-chefe do Departamento de Urologia do Hospital do Câncer de Pernambuco (HCP), André Maciel. "Aparece em homens com baixa instrução e nível de higienização precário", complementa ele. A doença, explica o médico, surge a partir do acúmulo de sujeira na glande do pênis, conhecida popularmente como a parte da cabeça. O câncer pode ser conseqüência de uma doença venérea, de uma verruga ou, na maioria dos casos do esmegma, substância que fica em torno da glande. O esmegma é o que se chama de sebo, de cor branca, formado pela solidificação do lubrificante produzido pelo homem. O perigo maior é quando o indivíduo tem fimose, ou seja, não consegue puxar a pele que cobre a glande. "Isso praticamente impede a limpeza", avalia André Maciel.

Ao contrário de outros tipos de câncer, os sintomas são perceptíveis. A doença, informa André Maciel, aparece como uma ferida, geralmente de meio centímetro. O local onde ela se acomoda fica doloroso, escorre pus, às vezes sangra e incomoda na relação sexual. O ferimento, se for realmente câncer, dizem os médicos, não cicatriza. Assim que for detectado, a busca por um médico precisa ser imediata: em até seis meses, o pênis pode ficar completamente comprometido, e o câncer, se expandir para outras áreas do corpo, atingindo a pele por dentro e por fora e incorrendo no risco de morte.
(Tiago Barbosa - Folha de Pernambuco)



Fechar